Palavra Pastoral Maio 2016: Ser missionária, eis a questão!

Ser missionária, eis a questão!

Parece que o ser missionária tem-se perdido na Igreja contemporânea e secularizada. A Igreja atual tem se comprometido com o consumismo e com a carnalidade pecaminosa, e muitos tem aberto mão do chamado Bíblico para “Ir e fazer discípulos de toda Nação”, por considerá-lo muito aquém do que desejam. Buscam entretenimento e realização de desejos!

Neste mês de maio gostaria que toda a igreja Metodista Central de Teresópolis pensasse naquilo que fomos essencialmente chamados a fazer: discípulos/as. Precisamos intencionalmente provocar os/as irmãos/ãs a pensarem sobre como estamos, onde estamos e aonde queremos chegar. Basta lembrar a nossa de visão: “Ser uma Igreja família relevante, que tem o compromisso com uma visão global em missões, e que cresce em edificação, comunhão, evangelismo e discipulado”.

A Igreja é por vocação missionária. Portanto, uma das maneiras de fazer isso é dar a devida e prioritária atenção para que o que é importante para Deus.

Vale ressaltar que no Reino de Deus existem 3 coisas que são prioritárias:

  1. As regras ou normas do seu Reino;
  2. A vida do seu Reino;
  3. Os valores do seu Reino;

 Assim, onde nós vivemos influencia diretamente na forma pela qual vivemos. Ou vivemos no Reino deste mundo, ou vivemos no Reino de Deus sendo guiados por seus valores. Ou seja, ou colocamos nossa mente nas coisas do alto (Cl 3.2) ou nas coisas desta terra. Ou influenciamos e discipulamos à luz da Palavra de Deus, ou seremos influenciados e discipulados por este mundo.

  Precisamos fazer uma escolha. Ou escolhemos integralmente o Reino e abraçamos a nossa missão de fazer discípulos/as, ou seremos atropelados e gerenciados pelos valores determinados por este mundo.

Constatamos que o mundo tem muitos “cristãos”, mas tem poucos disicpulos/as. Precisamos tomar o conselho do apostolo João: “Não ameis o mundo, nem as coisas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele. Porque tudo que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não procede do Pai, mas do mundo”(I Jo 2.15-16).

Li esta frase que muito tem me impactado: “o que captura seu coração ou o consagra ou o corrompe”.

Será que temos de fato colocado toda a nossa afeição e coração no compromisso missionário? Será que temos adotado o discipulado como estilo de vida? Se temos, o nosso coração está capturado e consagrado a isso!

Ao realizarmos o projeto das Casas de Paz e a nossa Festa das Nações neste mês de maio, queremos mais uma vez chamar a Igreja ao despertamento e ao compromisso missionário.

Ser missionária não é apenas um desejo é a nossa razão de existir. A Igreja é, e sempre será, essencialmente missionária.

Se envolva na missão! Faça parte da ação de Deus de salvar o mundo! Seja um/a cooperador/a comprometido/a e apaixonado/a!

Que Deus os abençoe!

Pra Carla Alves Rosa