Rompendo a inércia em 2016

Neste mês de fevereiro, em nossa pastoral, queremos levar a igreja a refletir sobre a importância de tomar iniciativas. Inércia é a falta de ação diante de uma situação que requer uma posição firme. É aquilo que nos impede de agir, crescer e vencer em fé. Isso nos diz que existem coisas que precisamos decidir que temos que fazer e ponto final. Quem sabe parar de procrastinar. Acreditar nas oportunidades que chegam. Ver as crises como oportunidades para reinventar e sair do lugar.

Em João 17:4 Jesus declara: Eu te glorifiquei na terra, consumando a obra que me confiaste para fazer”. Alguns estudiosos dizem que este foi o último dia de Jesus na terra, antes da sua entrega na cruz. Ao ler a oração sacerdotal percebemos que Jesus tinha uma consciência clara daquilo que precisava ser feito aqui na terra. Ele tomou a iniciativa de fazer a obra que lhe foi entregue.

Além disso, o texto de 2 Reis 2:2, 4 e 6 traz uma lição fantástica sobre esta temática. O texto revela que já estava chegando a hora de Elias partir desta terra, e Eliseu não queria perder nenhuma oportunidade de estar perto de Elias. Ele sabia que era importante aprender ao máximo com este grande homem de Deus, e, portanto, seria necessário se esforçar, e estar por perto em todo tempo. O texto diz que Elias queria viajar, e Eliseu toma a decisão de ir junto. Elias repetidas vezes insiste para que Eliseu não vá. Ele usa a expressão “fica-te aqui” para Eliseu, por diversas vezes, insistindo para que o jovem profeta não fosse com ele. Contudo, Elias queria mais. Ele decide romper com a inércia. O texto mostra que Eliseu se recusa a ficar parado. Eliseu foi a 3 lugares com Elias. Lugares que biblicamente e espiritualmente significam coisas importantes para se experimentar.

  • O Primeiro lugar foi Betel. Betel é o lugar onde ganhamos a consciência da presença de Deus. Onde aprendemos a levantar altares a Deus e adorar. É o lugar onde o valor da intimidade com Deus torna-se real e presente.
  • O Segundo lugar foi Jericó. Onde aprendemos a enfrentar as fortalezas que nos prendem. A enfrentar as estruturas que nos prendem; a romper com isso. Onde aprendemos a tomar decisões nesta direção de cura e libertação. Onde nos tornamos mais aguerridos, mais adestrados na guerra, e entendemos que por mais que as muralhas estejam diante de nós, podemos pela fé, derrubá-las.
  • O Terceiro lugar foi o Jordão – Lugar onde nos submetemos ao Senhor (onde Jesus se submeteu ao batismo de João Batista e ouviu o Pai Celeste dizer: “este é o meu filho amado, em quem me comprazo”). Quando vamos em direção ao Jordão a nossa identidade como filho/a é reafirmada em Deus. Tudo isso promove rompimento com inércia!

Desta forma, compartilho dois pontos essenciais para andarmos sobre as águas neste ano de 2016 e para rompermos com a Inércia:

  1. Não existe “uma pílula dourada” para resolver todos os seus problemas de uma hora para outra, MAS, existe uma fonte (Jesus), na qual nos desafia a sair do lugar que estamos para vivermos mudanças. Isso nos remete a tomada de DECISÃO! É preciso decidir beber da fonte.

Tudo começa com uma decisão! Jesus decidiu consumar a obra que lhe foi confiada. Eliseu decidiu não ficar parado. Decisão! Precisamos aprender a tomar decisões, e começando pelas pequenas decisões, como diz a Palavra: “Não despreze os pequenos começos” (“Porque, quem despreza o dia das coisas pequenas?” Zacarias 4:10). Dê os primeiros passos, tomando as pequenas decisões, que somadas farão uma grande diferença.

  1. Deus vai produzir um choque, um evento, uma situação de choque para que você saia do lugar, para que você seja transformado. Será necessário um processo profundo de conversão, de mudança. TRANSFORMAÇÃO!

Tem gente que quer permanecer torto, da mesma forma quando conheceu a Cristo. Não quer ter a experiência de se abrir para mudar. Acontece que caminhar com Deus requer que não haja mais pendências. Será necessário querer mudar. Portanto, comece orando e clamando por isso. Que durante este mês, vejamos em cada oportunidade, o momento de tomar decisões em Deus, e viver toda a mudança necessária.

Andar sobre as águas é uma atitude de fé, mas, também é uma atitude de quem quer sair do lugar e viver um tempo novo.

Em Cristo,

Pra. Carla Alves Rosa